Ottoboni se destaca em cura cardiovascular

A pesquisa da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) que conseguiu criar, em laboratório, vasos capilares a partir das células endoteliais extraídas das células-tronco do sangue do cordão umbilical foi premiada pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Cardiovascular. O prêmio de melhor trabalho do ano foi entregue no sábado (14), em Maceió, durante o 39º Congresso Brasileiro de Cirurgia Cardiovascular.

A pesquisa é resultado da tese de mestrado do aluno Gabriel Salles Ottoboni (foto). A pesquisa pode ser a cura para todas as doenças isquêmicas, principalmente do coração e dos membros inferiores de pessoas que sofrem de diabetes e possuem problemas de circulação. O trabalho envolve a retirada das células mononucleares do sangue do cordão umbilical, das quais são separadas as células-tronco. Das células-tronco, são extraídas as células progenitoras endoteliais, que possuem capacidade para se transformar em vários tipos de tecidos. Com a mistura de 13 indutores de multiplicação celular, os pesquisadores conseguiram multiplicar em 70 vezes as células progenitoras endoteliais, para então promover a sua diferenciação para células endoteliais, que são formadoras de vasos. Em apenas 24 horas, em laboratório, as células endoteliais deram origem aos vasos capilares.

Resultados – Os testes em ratos, que foram apresentados no Congresso Brasileiro de Cirurgia Cardiovascular, mostraram resultados animadores. Os ratos foram infartados e receberam injeções de células no coração. Então, foram separados em três grupos: o controle, que não recebeu nenhuma célula, o grupo A, que recebeu as células que foram expandidas em laboratório, e o grupo B, que recebeu apenas as células purificadas, ou seja, que não foram expandidas. No grupo controle, em um mês, houve a piora da fração de ejeção do coração, de 25,99% para 20,46%, sendo que um coração de qualidade apresenta índice superior a 40%. No grupo B, houve melhora, de 20,75% para 27%. Já no grupo A, a melhora foi de 22,51% para 32,67%.A próxima fase é o início dos testes em humanos. A pesquisa já foi submetida ao Comitê de Ética da Instituição e aguarda aprovação para iniciar a seleção de voluntários. O foco serão pacientes com isquemia nos membros inferiores, que não têm mais opção de tratamento. (Patrícia Macedo – assessoria)

Anúncios