Um gesto simples e fácil

osnijor -110515

Esta semana o ministro de estado Joaquim Levy e a presidente Dilma conversavam sobre as dificuldades financeiras do Estado. Eles buscavam a fórmula de conseguir dinheiro:

Levy: Para encontrar dinheiro, há um momento em que enganar (o contribuinte) já não é possível. Eu gostaria, Senhora Presidenta, que me explicasse como é que é possível continuar a gastar quando já se está endividado até o pescoço…

Dilma: Se se é um simples mortal, claro está, quando se está coberto de dívidas, vai-se parar à prisão. Mas o Estado… o Estado, esse, é diferente!!! Não se pode mandar o Estado para a prisão. Então, ele continua a endividar-se… todos os Estados o fazem!

Levy: Ah, sim? A Senhora acha isso mesmo? Contudo, precisamos de dinheiro. E como é que havemos de o obter se já criamos todos os impostos imagináveis?

Dilma: Criam-se outros.

Levy: Mas já não podemos lançar mais impostos sobre os pobres.

Dilma: Sim, é impossível.

Levy: E, então … os ricos?

Dilma: Os ricos também não. Eles não gastariam mais. Um rico que gasta faz viver centenas de pobres.

Levy: Então, como havemos de fazer?

Dilma: Levy! Tu pensas como um queijo, como um penico de um doente! Há uma quantidade enorme de gente situada entre os ricos e os pobres: os que trabalham sonhando em vir a enriquecer e temendo ficarem pobres. É a esses que devemos lançar mais impostos, cada vez mais, sempre mais! Esses, quanto mais lhes tirarmos mais eles trabalharão para compensarem o que lhes tiramos. É um reservatório inesgotável!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s