Cortella ministra palestra em Curitiba

O filósofo e doutor em Educação abordará a importância do aprendizado contínuo para os seres humanos e as organizações

Mário Sérgio Cortella

A NEOPLAN, empresa especializada em ‘Coaching’, ‘Assessment’ e ‘Executive Search’, traz para Curitiba o filósofo e doutor em Educação, Mário Sérgio Cortella, que apresentará a palestra “Gestão do Conhecimento – um desafio necessário”. O evento será realizado no dia 22 de junho, no Teatro Bom Jesus, a partir das 20 horas.

Cortella abordará, na ocasião, a importância do aprendizado contínuo para os seres humanos e as organizações. Após a palestra, haverá sessão de autógrafos e sorteio de livros. O encontro é voltado para empresários, profissionais em geral e todos aqueles que acreditam que conhecimento nunca é demais. “Quem não estiver aberto a mudança e descomprometido com questões de novos aprendizados estará fadado ao insucesso profissional e pessoal”, enfatiza o palestrante.

Maria_1164_bx res Maria Almeida Garcia, sócia-proprietária da NEOPLAN, diz que trazer Cortella à capital paranaense tem a ver com a linguagem e filosofia da empresa. A NEOPLAN atua no mercado corporativo desde a década de 1990, com objetivo de atender as necessidades das organizações e ajudá-los nos objetivos estratégicos de Recursos Humanos. “No momento atual brasileiro, faz-se ainda mais relevante a gestão positiva do conhecimento no âmbito pessoal e profissional. A pessoa quando se apropria e partilha do conhecimento, se torna um líder, um CEO, um executivo melhor. Percebemos que essa palestra pode fazer a diferença. E Cortella faz a diferença como mestre, professor e filósofo”, destaca.

Os ingressos estão à venda no Disk Ingressos –www.diskingressos.com.br, pelos valores de R$ 300 (inteira) e R$ 150 (meia-entrada). A meia-entrada é válida para estudantes, pessoas acima de 60 anos, professores, doadores de sangue e portadores de necessidades especiais (PNE). Quem possui o cartão fidelidade Disk Ingressos, cartão Leio+ das Livrarias Curitiba e associadas BPW Curitiba também pagam meia-entrada.

Anúncios

Política, não cheira bem!

osnijor 010615

No último domingo, quando recebeu o título de doutor honoris causa da Universidade Hebraica de Jerusalém, o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, comentou que não tem vontade de disputar qualquer cargo eletivo.
Ele disse que “política no Brasil se tornou uma coisa desagradável”. E complementou: “Nada em vida pública me encanta mais”.
Joaquim Barbosa destacou-se com o julgamento do mensalão, mas considera que “mensalão é coisa do meu passado. Agora estou em outra”.

Eleitos pra fazer nada!

osnijor 310515

Os deputados federais Carlos Manato (SD-ES), Lincoln Portela (PR-MG), Pedro Chaves (PMDB-GO), Reguffe (PDT-DF) e Tiririca (PR-SP) estavam presentes em todas as 393 reuniões organizadas de fevereiro de 2011 a dezembro de 2014.
Tiririca jamais fez um pronunciamento em plenário. Primeiro palhaço profissional a conquistar um lugar no Parlamento brasileiro, Tiririca é o representante do circo no Congresso. Em seu primeiro mandato, o comediante apresentou oito projetos de lei, dos quais seis favoreciam a classe circense.

Senado
No senado, na última legislatura, nove parlamentares faltaram o equivalente a um ano de sessões. Deixaram de comparecer a pelo menos 112 reuniões destinadas a votações – ou seja, a um quarto das realizadas nos quatro anos.
O ranking dos parlamentares que deixaram de comparecer a 25% das 451 sessões deliberativas da legislatura traz nomes conhecidos da política nacional. O senador mais faltoso foi Lobão Filho (PMDB-MA), suplente de seu pai Edison Lobão (PMDB-MA), ministro de Minas e Energia no primeiro mandato da presidente Dilma Rousseff.

Mais detalhes em: http://congressoemfoco.uol.com.br/noticias/tiririca-e-mais-quatro-sao-os-unicos-100-assiduos/

Quem recebe aposentadoria parlamentar

falsas promessas

Texto de Lúcio  Vaz, especial para a Revista Congresso em Foco

Qualquer cidadão precisa trabalhar 30 ou 35 anos para se aposentar. Os políticos brasileiros, porém, não são cidadãos comuns e asseguram pensão especial com muito menos tempo. Para eles, não há nem fator previdenciário. No Congresso, cerca de 250 deputados e senadores (veja lista abaixo) conseguiram a aposentadoria a partir de oito anos de contribuição. A despesa é paga pelo contribuinte.

Revista Congresso em Foco teve acesso à folha de pagamento dos aposentados e pensionistas do extinto Instituto de Previdência dos Congressistas (IPC), ainda pagos pela Câmara. No Senado, os valores estão registrados no Portal de Transparência, mas os pagamentos precisam ser acessados um a um. Extinto em 1999, o IPC continua a sangrar os cofres públicos. Tinha enorme rombo quando foi liquidado. Como é costume no Brasil, a conta foi apresentada à “viúva”, à União. Como um zumbi, o instituto já consumiu R$ 2 bilhões – em valores atualizados – nos últimos 16 anos.

A cada quatro anos surgem novos pensionistas, porque o parlamentar que estava no mandato no momento da extinção do IPC pode continuar contribuindo para o Plano de Seguridade Social dos Congressistas. Quando deixa o Congresso, pode pedir a aposentadoria pelas convidativas regras do IPC. Além disso, todo reajuste dos salários de deputados e senadores é repassado para as aposentadorias. Neste ano, o aumento foi de 26,34%. A pensão de maior valor ficou em R$ 33,7 mil. Por fim, com a morte do ex-parlamentar, a viúva ou os filhos passam a receber pensão. No momento da extinção do IPC, eram 2.769 pensionistas. Atualmente, são 2.237.

Os dados relativos aos ex-deputados são de janeiro de 2015 e foram publicados na 15ª edição da Revista Congresso em Foco, já com os valores atualizados para este ano. Alguns nomes foram excluídos de lá para cá porque os beneficiários diretos faleceram este ano. Nesses casos, o benefício passa a ser pago à viúva ou dependentes. Já a lista do Senado foi atualizada para incluir os senadores que se aposentaram recentemente – casos de José Sarney (PMDB-AP), Pedro Simon (PMDB-RS), Casildo Maldaner (PMDB-SC) e Eduardo Suplicy (PT-SP).

A seguir a relação dos beneficiados com aposentadoria pelo Paraná. A lista completa do Brasil você encontra em http://congressoemfoco.uol.com.br/noticias/abrimos-a-caixa-preta-da-aposentadoria-dos-politicos/

Parlamentar Sen * Dep ** Aposentadoria Partido/UF
José Eduardo de Andrade Vieira * 8.778,39 PTB-PR
Lyrio Bertoli ** 8.778,39 Arena-PR
José Carlos Leprevost ** 8.778,39 Arena-PR
Antônio Annibelli ** 8.778,39 PMDB-PR
Igo Losso ** 8.778,39 PDS-PR
Alceni Guerra ** 8.778,39 DEM-PR
Amadeu Geara ** 8.778,39 PPS-PR
Antônio Mazurek ** 8.778,39 PDS-PR
Fabiano Braga Cortes ** 8.778,39 PDS-PR
Nivaldo Kruger ** 8.778,39 PMDB-PR
Nelton Friedrich ** 8.778,39 PSDB-PR
Santinho Furtado ** 8.778,39 PMDB-PR
Waldmir Belinati ** 8.778,39 PDS-PR
Bento França ** 8.778,39 PDT-PR
Matheus Iensen ** 8.778,39 PSD-PR
Sérgio Spada ** 8.778,39 PP-PR
Waldyr Pugliesi ** 8.778,39 PMDB-PR
Osvaldo Macedo ** 8.778,39 PMDB-PR
Paulo Pimentel ** 8.778,39 PFL-PR
Otto Cunha ** 8.778,39 PPR-PR
Flávio Arns ** 8.778,39 PT-PR
José Borba ** 8.778,39 PMDB-PR
Emilio Gomes ** 12.070,29 Arena-PR
Leite Chaves * 13.167,60 PMDB-PR
Hélio Duque ** 13.167,60 PMDB-PR
Borges da Silveira ** 13.167,60 PMDB-PR
Pedro Sampaio ** 13.167,60 PMDB-PR
Nilso Sguarezi ** 13.167,60 PMDB-PR
Basílio Villani ** 13.167,60 PSDB-PR
Werner Wanderer ** 13.167,60 PFL-PR
Euclides Scalco ** 15.362,19 PSDB-PR
Olivir Gabardo ** 15.362,19 PMDB-PR
Paulo Marques ** 16.459,49 PMDB-PR
Walber Guimarães ** 17.556,79 PMDB-PR
Renato Johnsson ** 17.556,79 PSDB-PR
Alencar Furtado ** 22.380,08 PMDB-PR

“Baixaria” de todo lado

osnijor 300515

Se o eleitor surpreendeu-se ou ficou indignado com o flagrante dos parlamentares federais se refestelando com as orgias sexuais expostas na Internet, em plena sessão plenária, em Brasília, não pense que a situação é diferente em outros “cleros” políticos nacionais.

Na Assembleia Legislativa do Paraná, não foi preciso nem flagrante para imaginar como funcionaram os celulares durante a recente votação que decretou mudanças no sistema de aposentadoria do funcionalismo. Enquanto os deputados se deliciavam com as imagens em plenário, o pau comia solto na praça Nossa Senhora de Salete.

E tudo isso sem qualquer resultado que favoreça o povo. Enquanto os parlamentares “trabalham” e ganham fortunas, o povo vê seus impostos e compromissos econômicos subirem às alturas. Tudo fruto de um pleito eleitoral mal calculado pelo eleitor, mas muito bem articulado pela sorrateira classe política.

Ou seja: a orgia só muda de lugar e de personagens. A prostituição política campeia de Norte a Sul e de Leste a Oeste.

Ironias do futebol

osnijor 290515

Os maiores nomes de técnicos de futebol estão desempregados: Felipão, Vanderley Luxemburgo, Muricy Ramalho, Abel Braga, Mano Menezes, entre outros. E agora surge mais um fato que coloca abaixo o mundo da bola, especialmente o já desgastado futebol brasileiro: O ex-presidente da CBF, José Maria Marin acabou preso, num dos maiores escândalos internacionais, junto com outros dirigentes corruptos especialmente da América Latina. Tudo dentro de um prazo que ainda não esgotou o grande vexame da Copa do Mundo, disputada no Brasil, ano passado: os 7×1 entre Alemanha e Brasil. Felipão e os dirigentes choram até hoje o amargor daquela estapafúrdia derrota.

 

Impostos vão continuar subindo

osnijor 280515

O ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, negou hoje, durante audiência pública na Comissão Mista de Orçamento, que o governo esteja estudando a criação de um novo imposto, para incrementar a arrecadação que vem caindo este ano.

Ele respondeu a uma indagação do deputado Júlio Cesar (PSD-PI), presidente da Comissão de Desenvolvimento Econômico. O deputado quis saber se o governo estuda a recriação da CPMF.

O ministro foi objetivo: “Nosso esforço tem sido atuar sobre os impostos que já existem. Nesse momento, nós achamos que isso é suficiente para implementar o ajuste fiscal”.

Isso quer dizer que o governo “apenas” não pretende criar novos impostos, mas apertar o cerco ao contribuinte elevando os custos dos que já existem. Deus nos acuda!

Dilma cai no prestígio mundial

osnijor 270515a

Segundo a revista Forbes, a presidente do Brasil, Dilma Rousself deixou o quarto lugar entre as mulheres mais poderosas do mundo e agora está em sétimo lugar. A notícia foi divulgada há pouco mais de duas horas pela filial brasileira da Forbes.

Veja o ranking completo: http://www.forbes.com.br/listas/2015/05/25-mulheres-mais-poderosas-do-mundo-em-2015/

 

Lula causa ira dos evangélicos

osnijor 240515a

O tribuno Luís Inácio Lula da Silva continua promovendo suas palestras pelo Brasil afora. Neste fim de semana, falando a sindicalistas disse que “as vezes é preciso se inspirar na retórica dos religiosos quando não é possível atender reivindicações. E mais adiante foi enfático: “Os pastores evangélicos jogam a culpa em cima do diabo. Acho fantástico isso. Você está desempregado é o diabo, está doente é o diabo, tomou um tombo é o diabo, roubaram seu carro é o diabo”, arrancando gargalhadas do seu povo.
E entusiasmado foi além: “E a solução está ali. É Deus. Pague o seu dízimo que Jesus te salvará”.
Nem de tudo ele está errado, mas foi o suficiente para provocar a ira dos evangélicos de todos os quadrantes. Mais um dos tantos “tiros nos pés” de quem fala pelos cotovelos e não mede as consequências.

Um gesto simples e fácil

osnijor -110515

Esta semana o ministro de estado Joaquim Levy e a presidente Dilma conversavam sobre as dificuldades financeiras do Estado. Eles buscavam a fórmula de conseguir dinheiro:

Levy: Para encontrar dinheiro, há um momento em que enganar (o contribuinte) já não é possível. Eu gostaria, Senhora Presidenta, que me explicasse como é que é possível continuar a gastar quando já se está endividado até o pescoço…

Dilma: Se se é um simples mortal, claro está, quando se está coberto de dívidas, vai-se parar à prisão. Mas o Estado… o Estado, esse, é diferente!!! Não se pode mandar o Estado para a prisão. Então, ele continua a endividar-se… todos os Estados o fazem!

Levy: Ah, sim? A Senhora acha isso mesmo? Contudo, precisamos de dinheiro. E como é que havemos de o obter se já criamos todos os impostos imagináveis?

Dilma: Criam-se outros.

Levy: Mas já não podemos lançar mais impostos sobre os pobres.

Dilma: Sim, é impossível.

Levy: E, então … os ricos?

Dilma: Os ricos também não. Eles não gastariam mais. Um rico que gasta faz viver centenas de pobres.

Levy: Então, como havemos de fazer?

Dilma: Levy! Tu pensas como um queijo, como um penico de um doente! Há uma quantidade enorme de gente situada entre os ricos e os pobres: os que trabalham sonhando em vir a enriquecer e temendo ficarem pobres. É a esses que devemos lançar mais impostos, cada vez mais, sempre mais! Esses, quanto mais lhes tirarmos mais eles trabalharão para compensarem o que lhes tiramos. É um reservatório inesgotável!