A loira e o louro

Hoje a Rede Globo apresentou no Paraná TV, 1ª Edição, uma fraquíssima entrevista com a loira Cláudia Queiroz, ex-companheira do presidente da Câmara de Vereadores de Curitiba, Cláudio Derosso. Um dos mais fracos trabalhos jornalísticos que eu já assisti na TV Paranaense. Não esclareceu nada, não acrescentou nada. Puro pó-de-arroz, digno do colunismo social bajulador.

Em seguida veio uma notícia sobre a disputa de um papagaio que estava sumido. E o papagaio falou, chamando pela sua amiguinha Isabel, a filha do dono. As palavras do papagaio me convenceram mais do que as declarações de Claudia Queiroz.

O assunto do papagaio foi tão bom que a Rede Globo nacional aproveitou a reportagem para o Jornal Hoje. Já a entrevista com a Cláudia Queiroz, me perdoem, mas deve ser depositada entre as piores matérias do ano. A loura não falou nada. O louro falou tudo!

Derosso desiste do PSDB

O presidente da Câmara de Vereadores, envolvido em vários escândalos deveria ser expulso do PSDB, seu partido. No entanto, para evitar qualquer atitude mais radical, Derosso resolveu escrever enviar um manuscrito para o partido decidindo pelo seu afastamento voluntário.

A carta foi recebida pelo presidente estadual do partido, o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Valdir Rossoni. Isso, de certa forma, facilita as coisas. O interessante foi a declaração de Derosso que perguntado a respeito da questão disse que prefere garantir a sua condição de candidato nas próximas eleições onde pretendia ser “o mais votado de Curitiba” para um novo mandato. Na foto, disponível na Internet, Derosso aparece ao lado de sua companheira, a jornalista Cláudia Queiroz, um dos pivôs de seus escândalos.

Essa é uma demonstração do político que acredita na indiferença do eleitor para casos mais graves como o seu envolvimento em desvio de dinheiro do Legislativo, favorecimento de parentes e amigos e uma série de escândalos na atividade pública. É a prova de que ele acredita que o eleitor tem memória curta.